Instante

março 20, 2011

Ontem à noite, tive o privilégio de assistir a um dos luares mais bonitos de minha vida. Estava quieta em meio ao silêncio da brisa, era eu intensamente, talvez um pouco mais do que isso, mas nada além de mim mesma. Lembrei-me de poemas que caberiam ao sabor do que sentia. Os que seguem abaixo acompanham o meu regalo a todos que comigo estavam, mesmo que distantes. Fiz também um pequeno registro do céu para ilustrar a cantoria.

 

Never give all the heart

William Butler Yeats

Never give all the heart, for love
Will hardly seem worth thinking of
To passionate women if it seem
Certain, and they never dream
That it fades out from kiss to kiss;
For everything that’s lovely is
But a brief, dreamy, kind delight.
Oh never give the heart outright,
For they, for all smooth lips can say,
Have given their hearts up to the play.
And who could play it well enough
If deaf and dumb and blind with love?
He that made this knows all the cost,
For he gave all his heart and lost.

Poética

Vinícius de Moraes

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando

Esperança

Mário Quintana

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança…
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA…

Amar

Carlos Drummond de Andrade

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer, amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?
Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho,
e uma ave de rapina.
Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor à procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.
Amar a nossa falta mesma de amor,
e na secura nossa, amar a água implícita,
e o beijo tácito, e a sede infinita.

Para ser grande

Fernando Pessoa

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.

 

Cabras da Peste

agosto 21, 2010

Sá & Guarabira

Estou acompanhando a novela A História de Ana Raio e Zé Trovão, que, diga-se de passagem, depois de Pantanal, foi a coisa mais revolucionária que a teledramaturgia brasileira produziu. Saboreio cada capítulo. Uma orgia.

Naquela época – o folhetim foi ao ar pela primeira vez em 1991 (hoje é o SBT que transmite) –, novelas eram obras originais da criação do roteiro à concepção da trilha sonora. As músicas eram compostas especialmente para elas. Cada personagem de destaque tinha a sua canção. Não que isso fosse uma regra. Algumas músicas eram selecionadas após período de pesquisa.

Lenine

Entre as belas canções que integram a trilha de Ana Raio e Zé Trovão, há três verdadeiros primores: Atrás Poeira, de Ivan Lins e Vitor Martins; Ana Raio, de Xangai, um monstro sagrado da música caipira; e As Voltas que o Mundo Dá, de Lenine. A versão escolhida da primeira foi gravada por Sá & Guarabira, dupla de excelência que faz um fabuloso trabalho vocal. Lembro aos leitores que Atrás Poeira é anterior ao folhetim.

Exceções à parte, todas são obras de craques da MPB. Publico-as na página, deixando o registro para a posteridade. Divido este tesouro, cem por cento brasileiro, com os andantes que pelo blog vagueiam. Aplausos para os nossos cantadores. Cambada de cabras da peste. Puro heave metal, como diria o maestro soberano Antônio Carlos Jobim. O Brasil que o Brasil não conhece era o slogan de abertura das chamadas da novela. E não conhece mesmo.

Xangai

Sobre Xangai, encontrei ainda a riqueza a seguir, escrita por Elomar, outro grande nome do cancioneiro nordestino.

“Xangai, um cantor, um artista, um menestrel, um dos maiores poucos gatos pingados e tresloucados sonhadores-de-mãos-sangrentas-contrapontas-afiadas inimigas. Remanescente que teima guardar a moribunda alma desta terra. Que também vai se atropelando contra a multidão de astros constelados que fulgurantes espargem luz negra dos céus dos que buscam a luz. Lá vai ele recalcitrante e contumaz cavaleiro, perdulário da bem querência que deixa a índole dissoluta de um pobre povo que habita o espaço rico de uma pátria que ainda não nasceu (…)”

Casa dos Carneiros, minguante de maio de 1991

Elomar Figueira Mello

Publico também o site oficial de Elomar para todos os brasileiros. Um gênio chamado por Vinícius de Moraes de o Príncipe da Caatinga.

1.

2.

3.

Imagens Web
 

vininhaHá quase um mês chove sem parar. A Ilha de Santa Catarina vive ao sabor dos ventos e das águas. Quando chove durante dias a fio, os moradores costumam improvisar para sair da umedecida toca. Independente de inevitáveis resmungos, a atmosfera expele impressões de simpática exclamação nos rostos das gentes. O contentar-se com larga precipitação transborda em feições de variados tamanhos. Parece-me que, apesar do tempo intruso para a época do ano, as pessoas seguem trajeto com afinco.

Não existe razão para deixar o riso cair. Respingos não repelem lábios bem-aventurados. Eu posso dizer que pinto e bordo em cenário seco ou molhado. Passei período deveras agradável ao lado do meu tio. Não o via há seis anos. Ele aqui esteve para uma visita rápida – sem dúvida, inesquecível. Veio de Brasília em dia de chuva (10 de outubro) e partiu de Florianópolis em dia de chuva (19 de outubro). Passeamos por bons cantos da cidade quando as nuvens deram trégua, conversamos sem parar, gargalhamos por inúmeras horas, viramos uma noite em reduto do samba, cantarolamos, ouvimos música, recitamos poesias – Vinícius de Moraes é poeta adorado na tribo –, contamos causos, falamos sobre histórias recentes e sobre acontecimentos antigos, mergulhamos em uma orgia enogastronômica vinicius de moraesda qual não faltaram opções de cardápio, festejamos nosso encontro, alegramo-nos por estar um na companhia do outro; enfim, matamos a saudade. Por este efêmero instante em minha vida, eu cancelei todos os meus compromissos profissionais. Montei tal estratégia com certeira antecedência para estar junto de quem eu amo. Valeu a pena! Tudo se passou em fração de segundo e esquecemos dos aparentes bloqueios causados pela chuva. Ao contrário, brincamos com as gotas trazidas aos borbotões das alturas.

“Florichuva” foi o apelido dado por titio à ilha. Embora ele não tenha conhecido as dezenas de maravilhas deste lugar, sentiu-se agraciado pelo correr dos ponteiros, tic tac tic tac… Quem não vê beleza no cair da chuva reconhece o entusiasmo escancarado pelo sol? Hoje, 72 horas após a decolagem do avião que o levou de volta para casa, acendeu-se em mim imensa vontade de homenageá-lo.

Ao meu tio muito amado entrego um presente: nosso Vininha, nossa canção, nossa rima, nosso abraço, nossa revelação, nosso acordo, nosso aperto de mão, momento repetido mais de oitocentas e cinquenta mil vezes no decorrer de sua estada na Ilha da Magia – o relevante, ao lado meu e debaixo de tormenta.

M2081S-1029Fernando Antônio e Carolina

“Quem de dentro de si não sai vai morrer sem amar ninguém.”

De tudo ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.