A Música Segundo Tom Jobim

janeiro 17, 2013

A Música Segundo Tom JobimBAITA documentário, editado apenas com música e imagens sobre a história do nosso maestro soberano, Antônio Carlos BRASILEIRO Jobim. A belíssima montagem envolve rapidamente o espectador, que não precisa de nada mais para ser contagiado pelo universo de Tomzinho – o músico mais cantado do planeta. Nomes como Elizeth Cardoso, Dizzie Gillespie, Ella Fitzgerald, Nara Leão, Sammy Davis Jr., Elis Regina, Judy Garland, Nana Caymmi, Frank Sinatra e Caetano Veloso inspiram com suas interpretações magistrais… LINDO de assistir. Eis um Brasil que vale a pena levar para o mundo… nossa música é como a alegria que bate inteira no peito: tem ALMA nos olhos.

Em conversa sobre as peripécias da cena cultural em Porto Alegre, meu irmão – que passa uns dias conosco na Ilha -, apresentou-me o trabalho fabuloso de Maria João e Mário Laginha. Os músicos portugueses estiveram no Porto Alegre em Cena de 2010 com o espetáculo Chocolate. Entre comentários sobre a qualidade virtuosa da dupla, ele me mostrou o clipe da canção Beatriz, composta por Edu Lobo e Chico Buarque, em que os dois a interpretam suspensos sobre o Rio Tejo (Lisboa). Esplendoroso! Chorei de emoção.

Cabras da Peste

agosto 21, 2010

Sá & Guarabira

Estou acompanhando a novela A História de Ana Raio e Zé Trovão, que, diga-se de passagem, depois de Pantanal, foi a coisa mais revolucionária que a teledramaturgia brasileira produziu. Saboreio cada capítulo. Uma orgia.

Naquela época – o folhetim foi ao ar pela primeira vez em 1991 (hoje é o SBT que transmite) –, novelas eram obras originais da criação do roteiro à concepção da trilha sonora. As músicas eram compostas especialmente para elas. Cada personagem de destaque tinha a sua canção. Não que isso fosse uma regra. Algumas músicas eram selecionadas após período de pesquisa.

Lenine

Entre as belas canções que integram a trilha de Ana Raio e Zé Trovão, há três verdadeiros primores: Atrás Poeira, de Ivan Lins e Vitor Martins; Ana Raio, de Xangai, um monstro sagrado da música caipira; e As Voltas que o Mundo Dá, de Lenine. A versão escolhida da primeira foi gravada por Sá & Guarabira, dupla de excelência que faz um fabuloso trabalho vocal. Lembro aos leitores que Atrás Poeira é anterior ao folhetim.

Exceções à parte, todas são obras de craques da MPB. Publico-as na página, deixando o registro para a posteridade. Divido este tesouro, cem por cento brasileiro, com os andantes que pelo blog vagueiam. Aplausos para os nossos cantadores. Cambada de cabras da peste. Puro heave metal, como diria o maestro soberano Antônio Carlos Jobim. O Brasil que o Brasil não conhece era o slogan de abertura das chamadas da novela. E não conhece mesmo.

Xangai

Sobre Xangai, encontrei ainda a riqueza a seguir, escrita por Elomar, outro grande nome do cancioneiro nordestino.

“Xangai, um cantor, um artista, um menestrel, um dos maiores poucos gatos pingados e tresloucados sonhadores-de-mãos-sangrentas-contrapontas-afiadas inimigas. Remanescente que teima guardar a moribunda alma desta terra. Que também vai se atropelando contra a multidão de astros constelados que fulgurantes espargem luz negra dos céus dos que buscam a luz. Lá vai ele recalcitrante e contumaz cavaleiro, perdulário da bem querência que deixa a índole dissoluta de um pobre povo que habita o espaço rico de uma pátria que ainda não nasceu (…)”

Casa dos Carneiros, minguante de maio de 1991

Elomar Figueira Mello

Publico também o site oficial de Elomar para todos os brasileiros. Um gênio chamado por Vinícius de Moraes de o Príncipe da Caatinga.

1.

2.

3.

Lusco-Fusco

junho 17, 2010

Nos últimos tempos, ouço Chico dia sim e noutro também. Sua música tem rimado com todos os lusco-fuscos de minhas andanças. Está dito: Chico combina com tudo a qualquer hora. Falar o quê?

Há uma canção que ele compôs em parceria com o Edu Lobo, outro danado de nossa MPB, chamada Valsa Brasileira. Fazia anos que não a escutava quando, de repente, ela veio de regresso. Interessante, pois a história que ele conta, fala de uma busca. “…é o B da canção…” já diria o próprio em um especial bárbaro gravado há anos. Não que esse ‘B” citado tivesse algo a ver com a letra curta, com alma destemida, dessa música. O que importa é que no embalo delicado da valsinha, a procura levou ao encontro! Gostei de te rever. Compartilho aqui a tal chegada. E por que não?

 

VALSA BRASILEIRA

Chico Buarque de Hollanda & Edu Lobo

Vivia a te buscar
Porque pensando em ti
Corria contra o tempo
Eu descartava os dias
Em que não te vi
Como de um filme
A ação que não valeu
Rodava as horas pra trás
Roubava um pouquinho
E ajeitava o meu caminho
Pra encostar no teu

Subia na montanha
Não como anda um corpo
Mas um sentimento
Eu surpreendia o sol
Antes do sol raiar
Saltava as noites
Sem me refazer
E pela porta de trás
Da casa vazia
Eu ingressaria
E te veria
Confusa por me ver
Chegando assim
Mil dias antes de te conhecer

Cazuza

novembro 28, 2009

Fotos Web

Cazuza está sempre por perto, é presença constante em mim. Cresci ouvindo tudo do senhorzinho coisa de louco. Sei eu o que ele diria disto. Faria uma careta, abriria um sorriso, acenaria com um ok, garota.

Semana passada, sexta-feira dos antigamentes, tive uma noite ao lado de mama das mais incríveis de todos os tempos. Em final de tarde quente, expediente da semana encerrado, decidimos, eu e ela, abrir uma garrafa de bom vinho, aquele tinto e seco, óbvio, uma vez que o resto é troço indigno da denominação. Tomamos a primeira e pensamos que o momento pedia por mais uma, abrimos outra. A conversa fluía. Foi quando decidimos sair da zona de conforto.

De casa fomos para um boteco de Jurerê Tradicional, moramos no Internacional doido de pedra, e acomodadas optamos por chope tinindo de tão gelado. No caminho do lar para o bar, ou como diria a minha tia, da igreja para o puteiro, se bem que minha casa nunca foi igreja, Graças a Deus, o que ouvíamos era o Cazuza, Blues da Piedade: “Agora eu vou cantar pros miseráveis que vagam pelo mundo derrotados/pra essas sementes mal plantadas que já nascem com cara de abortadas/pras pessoas de alma bem pequena remoendo pequenos problemas, querendo sempre aquilo que não têm/pra quem vê a luz, mas não ilumina as suas minicertezas, vivi contando dinheiro e não muda quando é lua cheia/pra quem não sabe amar, fica esperando alguém que caiba nos seus sonhos/como varizes que vão aumentando/como insetos em volta da lâmpada/vamos pedir piedade, Senhor, piedade, pra essa gente careta e covarde.”

O Cazuza é um algo assim como o amor e a vida. Não há palavra que o descreva. Quem foi? Acho que se eu dissesse aqui que foi um gênio, ele me diria que sou fofa, mas que na verdade, bem no fundo, ele era um misto de sensações, como todos nós. Menino? Homem? Cantor? Letrista? Poeta? Boêmio? Inconsequente? Eu não sei. Se ele mesmo dizia que não sabia nada sobre si, quem sou eu para ficar aqui descascando miudezas? Decifrar pessoas é coisa que não cabe a pessoas. Mania temos. Adoramos falar da vida alheia, dos seres sejam eles idolatrados ou menosprezados.  Por quê? Vício puro e simples. A coisa mais deliciosa do mundo é abrir a boca, meio de comunicação fervoroso e universal.

Para mim, Cazuza é como um amigo, irmão, alguém tão íntimo que chega a abusar. Conversamos, contamos da vida, dos planos, de pensamentos e expectativas. Deixou um legado como poucos. Jogou-se sem medir consequências, mas penso que ele foi o que queria ter sido, fez o que queria ter feito, escolheu o seu caminho. Somos resultado de nossas escolhas. Fato é que já se foram quase 20 anos desde a sua partida e até hoje eu o vejo por aí, mais atual do que nunca. Impressionante Cazuza, como você conseguiu passar tanta bagagem para todas as gerações posteriores a sua. Tudo o que você foi está a léguas do verbo precisar, pois ele lembra a falta do que é necessário, negócio que não rima com a tua voz nem toca as tuas ideias. Acho que o tanto que recebemos de você cabe direitinho em palavras marcantes como atrever. Alguém chega para você e diz: como você se atreve a falar assim comigo? Ou ousar. Outro esmurra em bom tom: não ouse! Cazuza era atrevido e ousado, e isso quer dizer carisma.

Ele mexe, desperta, estimula. Creio que a reflexão sobre seja o que for causa muito mais efeito do que o pão nosso de cada dia. Por certo ninguém sobrevive sem o alimento, mas o conteúdo relevante que empurra para frente está nas pequenas grandes revelações: “Disparo contra o sol, sou forte, sou por acaso, minha metralhadora cheia de mágoas, eu sou um cara/cansado de correr na direção contrária, sem pódio de chegada ou beijo de namorada, eu sou mais um cara/mas se você achar que eu tô derrotado, saiba que ainda estão rolando os dados porque o tempo, o tempo não para.” Refiro-me a isto. Falar de si em nível arrebatador não é para qualquer um.

Eu também sou ariana, quebro tudo, arrombo portas, sou impulsiva, passional, intensa, desgovernada, travessa, moleca. Dá na veneta e, pronto, fecha-se a butique. Lógico que eu me identifico com ele. Somos parecidos. Como eu disse, somos amigos. Cazuza compôs para invadir a alma dos outros. Ele não pede licença e faz tudo isso de propósito. O objetivo é chocar, chamar a atenção, instigar o sentimento, animar (dar vida a) a consciência.

Quanta gente xinga, inverte os significados, empobrece os nossos instintos, reverte as nossas perspectivas? Um bando de chatos, mesquinhos, frios, minúsculos.  Pois bem, cada um com o seu cada qual. Né, Cazuza? Foda-se! Se não bate, não rola. A vida é assim. Que seja!

Para mim é claro: aqueles que se expõem estão sujeitos a todos os tipos de feedbacks. Burrice, pequeneza, tacanhice é não conseguir enxergar que as pessoas mais fortes são as que entram em contato com a sua fragilidade, a conhecem, provocam, tratam bem, sabem lidar. Jogo de cintura é fundamental. Estas fazem a diferença, possuem algo próprio: elasticidade mental. Cazuza integra este rol de criaturas; pessoas do bem, lúcidas, sagazes.

O que tenho a dizer? Que sinto muita saudade. Cazuza faz falta: leve, solto, afetuoso, autêntico, bem humorado,  generoso, inteligente, corajoso, brasileiro, ‘cínico, revoltado e menino’, como ele mesmo se descrevia.

Eu amo você Cazuza! Te conheci menina, cresci ao teu lado, te trago por dentro, te escuto, capto e passo adiante. Vamos seguir conversando pelos bares da vida. Por todos os lugares, qualquer um deles vale a pena ao lado teu. “O barato da vida é estar sempre aprendendo, sempre de olho, sabe? Acho que a gente tem que ter essa coisa de mudar, de não sedimentar.”

Com certeza!

Não foi por menos que terminei a noitada com mi mama na beira da praia do Forte, norte da Ilha de Santa Catarina. CazuzaBebemos a saideira ao nascer do dia, rodeadas por pescadores com suas redes e bateiras, Mata Atlântica, mar, gaivotas e ao som de Bete Balanço: “Pode seguir a tua estrela, o teu brinquedo de star, fantasiando um segredo, o ponto aonde quer chegar, o teu futuro é duvidoso, eu vejo grana, eu vejo dor, num paraíso perigoso, que a palma da tua mão mostrou, quem vem com tudo não cansa, Bete balança meu amor, me avise quando for a hora. Não ligue pra essas caras tristes, fingindo que a gente não existe. Sentadas, são tão engraçadas, donas das suas salas. Quem tem um sonho não dança, Bete Balanço, por favor, me avise quando for embora”

M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!

Valeu Cazuza! O mundo sem você não é o mesmo.

Para Fernanda e Rodrigo

julho 27, 2009

Cheguei tarde de Brasília em domingo de céu frio, típico do inverno no sul. Meu espírito, entretanto, ampliava-se em compasso ainda distante. Voltei para ilha faceira após dias de pura integração familiar. Estive na capital da república para o casamento de minha prima Fernanda Gonçalves Pinheiro, que agora assina: Fernanda Gonçalves Pinheiro Lara de Sousa.

Estávamos todos lá, a espera da noiva, que entrou ao som de Eu sei que vou te amar, tocada no piano e saxofone. Acompanhava-os uma voz delicada a pronunciar as palavras de Vinícius enquanto minha prima vinha ao encontro de meu tio, que a aguardava emocionado a bons metros do altar.

O momento foi de luz! Todos nós estávamos tomados pela atmosfera de um amor que ali se apresentou para dizer que seguirá a dois o caminho da construção e do fortalecimento de um elo verdadeiro. Parabéns aos noivos! Sejam muito felizes.

Prima amada, ao colocar os pés em chão ilhéu, pensei cá com meus botões e decidi te dar de presente um poema que escrevi em 2003 para a Clarinha quando a vi completamente apaixonada. Uau, o amor! Lembro-me que publiquei o rabisco no site de um amigo da faculdade. O Marcelo tinha uma página na internet Contra Ponto , que mantinha aberta para textos sempre vinculados à criação e espontaneidade.

Fe, é com muito prazer que seis anos depois eu te entrego estas linhas. Acredito que há certas palavras que não possuem espaço no tempo. Quando dissertam sobre o amor, abraçam a eternidade. Amar é estar por aí ao lado do que existe de mais vivo. Te amo!

Fernanda e Rodrigo

Fernanda e Rodrigo

O etcetera

O amor é um algo assim que eu não sei. É um tudo, um tanto, uma condição de se estar eternamente vivo. É a parte, a fatia, o conjunto deliberado de homem, mulher, gozo, reentrância, lampejos e tropeços. É a unanimidade, o trepidar de esperança, a compilação de malícia. É o começar recomeçando, a descoberta, o fazer ser, o ser para fazer. É o crescer, o maturar, o consolar de pares em trilhos de antigos passadores. Não há portas para bater, apenas a rua, comprida e larga para seguir.

O amor? Imagino eu, e anoto com a percepção que me cabe ter do pequeno grandioso, que é o tocar em êxtase, mesmo que não se saiba. Em súmula, nada disso dá-se como conclusão. Consta-se tão somente o ter-se em vista: o atravessar da retina espalmada pelo embalo da tal linguagem, mesma em todos os seus gestos, sentidos e filosofias. É um estar para mais do que o além, aqui ou em qualquer estância. É um apegar-se, um aconchego, um dedilhar de sândalo em carne, vísceras e fôlego. É a ideia explícita do auge, do brilho, do embevecer-se despido de nós, tranças, cancelas: é a forra!

Porque amar é o entendimento, a noção lacônica do pouco em tormento, do bocado em múltiplo e metafórico conjugar de ambos em diálogo. É um qualquer de pontos, pausas e passos num compasso circular de amparo e cadência. É a mágica, o contorno de matizes em graduação intercambial de plurais. É um deixar-se ir e vir de rasuras e sossego, de fábulas em êxodo e para isto ainda é pouco. É um abrir de olhos que só se tem quando se ama.

Tenho dito que o amor, este, de súbito derrama-se por sobre um aprender diluído em perseverança cotidiana, como quem passa a mão por dentro e vê-se maior, incólume, fértil. É um entregar-se em sintonia ao outro. É a partida, o regresso, um soltar-se inteiro num compartilhar de braços em rompante de minúsculas e maiúsculas. É a universalidade de quem e para quê. É lançar-se em desafio, colocar-se em ritmo, conduzir-se em movimento íntimo de expressão, desfazendo-se das vestes vagarosamente ao sabor dos gostos, dos cheiros e da epiderme. É um estar em casa, um reparar-se bem, um contar de dias e de noites em suor lascivo de beijos, abraços, sussurros, calores e misturas onde demais nunca é o suficiente.

Para o amor, a divisão fatorial de tons em revelação deferida das palavras em cuidado; o botar-se a cabo ou rolar-se em parábola, haja cantiga ou dissonância: deixa estar. E o que vier, para lá um tanto adiante, que apareça se assim o desejar. Que seja! O amor… ah, o amor! Sobre ele, como eu disse, não sei. Quem souber, que se sente ao lado meu e disserte a seu respeito.

 

Como é grande o meu amor por você

Erasmo Carlos / Roberto Carlos

Eu tenho tanto
Prá lhe falar
Mas com palavras
Não sei dizer
Como é grande
O meu amor
Por você…

E não há nada
Prá comparar
Para poder
Lhe explicar
Como é grande
O meu amor
Por você…

Nem mesmo o céu
Nem as estrelas
Nem mesmo o mar
E o infinito
Não é maior
Que o meu amor
Nem mais bonito…

Me desespero
A procurar
Alguma forma
De lhe falar
Como é grande
O meu amor
Por você…

Nunca se esqueça
Nem um segundo
Que eu tenho o amor
Maior do mundo
Como é grande
O meu amor por você.*

 

Fê e Rodrigo

* A canção fez parte da cerimônia. No vídeo acima, ela é interpretada por Oswaldo Montenegro.

Impressões

julho 20, 2009

monkey8Conhecer Paraty foi uma experiência inesquecível. Cheguei à cidade no dia 1º de julho à tarde e ao descer do ônibus fui tomada pela atmosfera no mínimo entusiasmada do local. O brilho do sol que ainda se mostrava simpático para as milhares de pessoas que desembarcavam de todas as partes do mundo ampliou a sensação de boas-vindas que com o passar das horas só fez crescer dentro de mim. Senti-me como um canal de comunicação ambulante pelo qual passavam informações aos borbotões em tempo integral. Não havia o S2020083que pudesse pouco inspirar os sentidos. Uaupontocompontobeérre, como diria Eliziário, meu GRANDE amigo, parceirinho de incontáveis horas de rica prosa em ritmo boêmio ou de trabalho alucinado e mentor, a quem devo muito do que hoje eu sou: macaca a plantar sementes e arar a terra. O passo número um – no meu caso o número cinco –, para se alcançar um belo, digno e grandioso sonho é cultivar o chão para colher os frutos que servirão de alimento nos dias que à frente me esperam. Há coisas que só dependem de nós. Curiosidade, paciência e persistência nos levam do presente cru para perto de um futuro composto por fartas colheitas, repetiu diversas vezes o artesão aquele de Paraty, né guri (Eliziário)? Citei com prazer e soltura o nome do guri porque infelizmente ele não pôde me acompanhar nesta aventura FANTÁSTICA.

S2020023O lugar é simplesmente deslumbrante. Um pedaço de história construído à beira-mar. Por onde se passa se respira a cultura brasileira: o verde da Mata Atlântica, o azul da baía que encosta na cidade, o colorido do casario colonial, o cheiro das cozinhas regionais, o gosto das artes espalhado por cada pequeno canto. MUITO BOM! Viajei no tempo e vi pelas ruas imagens de nossos ancestrais a cruzar meus passos, a erguer de forma planejada Paraty. Quantas pessoas passaram por ali? Quantas deixaram um tanto de si naquele espaço? Vi-me aberta, exposta e mais observadora do que nunca. Estar só é se perceber companheira de si mesma. Não há limites para o fazer, para o seguir por caminhos quaisquer, para o decidir, para o se perder para logo se encontrar.

Durante os cinco dias da 7ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), o ar tomou sabor de cultura. Eu esbarrava com ela o tempo todo. O que sentia era a vida a pulsar por minhas partes com força total. Conheci gente nova, bati papo com pessoas de vários tipos. Um dos momentos que me S2020033chamou a atenção foi quando estava eu sentada na boca de um dos muitos bares do Centro Histórico. Este, em particular, se localiza no largo da Praça da Matriz. De repente, um Hare Krishna se aproxima, vestido com a tradicional indumentária alaranjada, olha para mim e oferece a sua mão. – Boa noite. Disse ele com a voz aprazível dos de sua linha. – Boa noite. Respondi com olhar atento e vontade de ouvir mais. Era princípio da noite de abertura, pouco antes do show da Adriana Calcanhoto: MARAVILHOSO. Eu estava fazendo o meu lanchinho e tomando a minha cerveja enquanto me dedicava à alegria de estar imersa ao burburinho das vinte e poucas horas…huuuuuuum, delícia. Pois este rapaz de nome impronunciável, por certo o de batismo Hare Krishna, veio ter comigo porque, imagino, viu em mim uma das boas opções, em campo aberto, para a transmissão da Palavra. Ele trazia nas mãos uma penca de livros, todos escritos por um dos mestres da religião. Um deles, imenso e de excelente qualidade gráfica, foi o tal que ele, com delicadeza, dispôs sobre a mesa. A partir daí o burburinho cessou e me vi absorta nas S2020043histórias de Krishna e de sua Palavra. Ocorre-me que a última vez que havia travado diálogo com um Hare Krishna foi em 1995, em Porto Alegre, no meio da rua e não me lembro dos detalhes. Gostei pacas de me ver trocando idéias e experiências com uma pessoa que se identifica como um renunciante. – O que é isso? Perguntei com alguma intuição a respeito do que estava por vir. Ele me encarou por uns segundos. Eu pensei vixi, passei a barreira do razoável. Que nada. Ele logo desabafou com gosto adocicado de orgulho. – Renunciante é aquele que abre mão da vida material em prol do desenvolvimento espiritual. Nós carregamos apenas o que nos é indispensável para a sobrevivência em nossa peregrinação. Todo o resto, bens materiais, objetos e acessórios de qualquer espécie ficam para trás.

S2020131– Sei. Será que ficam mesmo? Tenho cá as minhas dúvidas. O caminho para o desenvolvimento espiritual inclui não transar? Ensaiei a pergunta; em seguida desisti. Era capaz do Hare Krishna pensar que eu estava dando em cima dele. Do jeito que o mundo vai. Humpf. Fato é que ele estava ali para me vender alguma coisa. Embora o rapaz tenha repetido mais de uma vez que o objetivo era levar a Palavra. – Caso as pessoas aceitem doar quantias simbólicas para a manutenção do trabalho, aceitarei. Esclareceu. Vamos e venhamos que uma doação de R$ 25,00 é de grande valia, não? Com pouco mais eu poderia comprar um Dostoiévski, uma boa coleção de contos. Pela Invenção da Solidão, de Paul Auster, paguei um valor bastante próximo deste.

Contradições à parte, terminei a maratona com um livreto chamado Meditação & Supercosnciência enfiado no bolso. S2020124Terei 64 páginas que me valeram R$ 5,00 para entender melhor ou não o universo dos renunciantes. Se vou me arrepender? Pelo menos tentei. Como disse o respeitado artesão de Paraty, curiosidade…Né guri? Let’s exploring! Como jornalista, percebi meu senso aguçadíssimo. Como pessoa, notei meu interior maior, mais carregado de boa bagagem.

O evento foi excepcional! Adorei! Não é à toa que a FLIP se consolidou como um dos festivais de grande expressão do mundo. Mauro Munhoz, presidente da Associação Casa Azul, uma das responsáveis pela realização da festa, descreveu com primor, em seu texto Interpretar e desenhar o mundo, a atmosfera contagiante que abraça as pessoas que participam da FLIP: “(…) pescadores, artesãos, estudantes, professores, vendedores, cozinheiros, turistas, editores, leitores e escritores se encontram e trocam experiências, trabalho, prazeres e conversas, influenciados pela linguagem, imersos em imaginação literária. (…) Por meio do olhar renovado, a literatura, razão maior da festa, é o que faz ver a realidade de maneira diferente nesses cinco dias em que o tempo parece transcorrer em outro ritmo, como nos rituais das festas populares”. Mergulhei neste universo, valeu a pena e pretendo repetir a dose.

S2020047Das 19 mesas que ocorreram na Tenda dos Autores, os expectadores puderam optar por assistir às conferências ao vivo ou na Tenda do Telão, três me levaram ao êxtase. Todas (das que estive presente), com exceção da Conferência de Abertura, alimentaram-me os miolos: biscoitos macacais da melhor qualidade. Três, como eu disse, deram brilho aos meus olhos. China no Divã (Mesa 4) trouxe dois excelentes jornalistas chineses, Ma Jian e Xinran. Ambos deram depoimentos emocionantes sobre a China de Mao Tsé-Tung, a Revolução Cultural e as transformações arrebatadoras pelas quais aquele país tem passado desde então. Fiquei tão impressionada que decidi comprar um dos livros de Xinran, As boas mulheres da China. Trate-se do relato de mulheres que viveram a violência de uma reeducação promovida por um sistema opressor.

A Mesa 14, Fama e Anonimato, foi composta por um dos maiores nomes do jornalismo, S2020134um dos precursores do New Journalism, gênero que une a precisão factual do jornalismo e os recursos estilísticos da literatura, Gay Talese. Neste dia acordei com a certeza de que assistiria ao Talese ao vivo de qualquer jeito. Não consegui comprar o ingresso para a sua mesa com a devida antecedência. Montei aparato, busquei meios, rodei mundo. Deu certo e valeu cada instante investido para o alcance da meta. Talese é um dos meus ídolos. Não poderia passar por Paraty junto com ele sem vê-lo beeeeeeem de pertinho. Ele deu uma verdadeira aula de jornalismo. Trago comigo um trecho de sua fala. “Um jornalista precisa deixar o seu laptop um pouco de lado, precisa ir às ruas, precisa falar com as pessoas comuns e tocar o mundo real. O bom profissional deve ter curiosidade, paciência e persistência”. Preciso falar mais? Putaqueopariu…

Né guri? Ô!

Graaaaaaaaaaaaaaaaande Talese. É isso aí meu filho. Jogo no teu time com orgulho e paixão.

S2020020A Mesa 15, Escrever é preciso, me apresentou um escritor português chamado António Lobo Antunes. Eu confesso que não o conhecia. MARAVILHOSO! Ele falou sobre as suas impressões e percepções sobre o ser escritor, o processo de criação, as qualidades do texto narrativo. Achei-o inteligente, perspicaz, instigante e acima de tudo sensível. Descreve sua rotina e seu trabalho com uma sensibilidade própria de quem enxerga e sabe ouvir. O angolano José Eduardo Agualusa, um dos excelentes autores contemporâneos de língua portuguesa, afirmou em entrevista que o escritor necessita de disponibilidade para desenvolver o ofício. “Ele precisa estar disponível para saber ouvir. Isso é fundamental”.

Lobo Antunes possui esta característica. Dono de uma visão de mundo abrangente e inovadora, o autor cativou a platéia com seus comentários apaixonados e bem-humorados.S2020091

Paraty é isso: uma combinação perfeita entre o natural e o urbano, entre a História e a cultura popular brasileira. Em época de FLIP, a cidade resplandece, tudo envolve, rapta, faz cócegas, cutuca, estimula, interessa, transmite algo. Regressei com a certeza de que experimentei o que posso chamar de único. Vi com nitidez um retrato do Brasil e do nosso povo, cujo talento e vitalidade extravasam expectativas.

Ressalto a qualidade da Flipinha, um espaço incrível e muito bem construído para as crianças. As escolas públicas e particulares de Paraty participam da festa de forma efetiva. A tenda reservada para a Flipinha é, sem dúvida, um ponto de encontro de alunos e professores, os quais apresentam atividades realizadas dentro de sala de aula. O resultado do trabalho é sensacional e permanece exposto na tenda durante os cinco dias de evento. As crianças interagem, aprendem brincando e se entregam à leitura. Espetacular!

S2020103Parabenizo também os artistas plásticos Julio Paraty (pintor) e Dalcir Ramiro (ceramista). Estive em uma vernissage promovida por eles no atelier do Dalcir. A exposição Paratienses em Paralelo apresentou o EXCELENTE trabalho que os dois desenvolvem na cidade. A recepção foi muito calorosa, ambos são a simpatia em pessoa e as peças e os quadros expostos no espaço são de uma beleza ímpar. Seguem o telefone de contato do atelier 55 24 3371-6035 e o endereço do local: Rua Santa Rita, nº 65 – Centro Histórico.

Até a próxima. Toco y me voy. Olé!

Deixo como registro musical Esquadros, uma das músicas que eu mais gosto da Adriana Calcanhoto, e que claro, fez parte da trilha sonora da viagem. Ouvi-a, inclusive, ao vivo, cantando-a com todos que no largo da Praça da Matriz se amontoaram para assistir ao show.

Esquadros

Adriana Calcanhoto

Eu ando pelo mundo
Prestando atenção em cores
Que eu não sei o nome
Cores de Almodóvar
Cores de Frida Kahlo
Cores!

Passeio pelo escuro
Eu presto muita atenção
No que meu irmão ouve
E como uma segunda pele
Um calo, uma casca
Uma cápsula protetora
Ai, Eu quero chegar antes
Prá sinalizar
O estar de cada coisa
Filtrar seus graus…

Eu ando pelo mundo
Divertindo gente
Chorando ao telefone
E vendo doer a fome
Nos meninos que têm fome…

Pela janela do quarto
Pela janela do carro
Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle…

Eu ando pelo mundo
E os automóveis correm
Para quê?
As crianças correm
Para onde?
Transito entre dois lados
De um lado
Eu gosto de opostos
Exponho o meu modo
Me mostro
Eu canto para quem?

Pela janela do quarto
Pela janela do carro
Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle…

Eu ando pelo mundo
E meus amigos, cadê?
Minha alegria, meu cansaço
Meu amor cadê você?
Eu acordei
Não tem ninguém ao lado…