Refugiados: quem são?

setembro 15, 2015

Fotos Lilo Clareto, Nilüfer Demir e Sebastião Salgado

 

refugiados do desenvolvimentoA primeira vez que vi os refugiados da contemporaneidade foi em Êxodos, trabalho primoroso de Sebastião Salgado. Entre saber e enxergar há uma distância considerável. Vide o corpo do menino sírio que chegou à praia na Turquia. Todos sabiam que milhares de pessoas estão em trânsito pelo mundo, mas somente depois da foto do menino morto ser estampada em todas as timelines e afins é que a barbárie da guerra na Síria causou algum tipo de “movimento.” Um mexer-se indiferente. Qualidade comum ao Ocidente.

As imagens de Êxodos me tiraram da redoma em que nasci, protegida pelo privilégio de fazer parte de menos de 10% da população do planeta, e colocaram dentro do contexto global. A realidade sem meio termo. Desde então convivo com a consciência de que populações inteiras vagam sem destino por estarem à margem do sistema, por terem sido expulsas de suas terras, pela falta de perspectiva, porque há muito foi instituído pela sociedade que o sentido da vida está em ter. Quem sou eu se não tenho? À resposta cabem muitos dos valores definidos pelo homem moderno – valho se, e somente se tiver acesso a bens de consumo; se, e somente se rentabilizar o suficiente para adquiri-los. Do contrário? Não sou ninguém. Não valho nada.

Pois, se a palavra ser está invariavelmente conectada à gênese do lucro; se nos moldamos assim, dependentes dos jogos de mercado, do plano financeiro; então, sabemos: o corpo daquele menino sírio na praia é reflexo deste modelo estabelecido do qual todos somos cúmplices. Cada um de nós, quer queira ou não, ajuda a alimentar esta gigantesca máquina de entortar homens. No Brasil, o cenário não é menos alarmante. Há um número inestimável de gente sem rumo, “que já não encontra o destino dos pés”. São refugiados do desenvolvimento. Um deles, uma mulher chamada Antonia Melo, é personagem desta coluna da Eliane Brum. Recomendo a leitura e, de lambuja, a reflexão!

 

corpo do menino síria na praia turca

 

Êxodos Sebastião Salgado

 

Mais sobre a jornalista no seu blog Desacontecimentos e sobre Antonia Melo, uma das principais líderes comunitárias em Altamira (PA), no site do Movimento Xingu Vivo Para Sempre.

No link a seguir, informações de como ajudar os refugiados sírios no Brasil e no mundo.

 

Índio, a palavra da vez

abril 14, 2015

Fotos Fábio Nascimento e Lunaé Parracho

 

mob_4_Fábio Nascimento

 

Os índios, os quilombolas, as comunidades tradicionais têm alguma chance de sobreviver ao modelo de desenvolvimento a que estamos atrelados? Se a resposta for não, então estamos todos condenados. O maior desafio da sociedade brasileira hoje está diretamente ligado à manutenção destes povos, que dependem da terra, dos rios e das florestas saudáveis tanto quanto qualquer um de nós. Qualidade de vida tem a ver com qualidade da água, do ar, das matas, do solo; enfim, do ambiente que habitamos. Nesta semana, mais de mil lideranças indígenas se deslocam em direção a Brasília. O objetivo da Mobilização Nacional Indígena é a reivindicação dos direitos adquiridos pelos índios e salvaguardados por lei. Direitos estes que estão sendo ameaçados. Os deles e, consequentemente, os nossos.

Há três anos, os Guarani Kaiowá vieram a público manifestar, em carta aberta, a preferência à extinção do que à expulsão de suas terras. Houve mobilização em massa nas redes. Uma quantidade considerável de pessoas abraçou a causa, anexou o Guarani Kaiowá a seu nome no perfil do facebook, saiu em defesa da tribo. O gesto, mesmo que vindo das poltronas de diversas partes, de certa forma, resultou em um recuo dos interessados em tomar aquele espaço. Por que agora há uma apatia pairando sobre as vozes que se lançaram em 2012? A mesma causa está em pauta neste exato momento. E aí? Vamos calar? Ou aquele alarido não passou de um ato pontual? Bem provável! A falta de informação certamente sobrepõe-se à consciência coletiva quando o assunto é índio no país. Mas se houve aquilo há poucos anos é sinal de que existe um olhar crítico em latência sim. Vamos nos informar, romper a barreira do silêncio e nos apropriar dos códigos para participar do debate gente! O Brasil é de todos e precisa da sociedade civil unida para que dê uma guinada em prol do bem comum. Mais uma vez e incansavelmente recorro ao Galeano: “Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.”

Eliane Brum, em sua coluna de ontem, no El País, escreveu: “A conversão do público para o privado, em benefício dos grandes interesses particulares de exploração da terra e dos recursos naturais do Brasil, é o que está na mesa nesse jogo de gente bem grande. Cabe à população brasileira se informar e participar do debate, se concluir que este não é o projeto de país que deseja. Por causa dos povos indígenas, dos quilombolas, dos ribeirinhos? Me parece que seria motivo mais do que suficiente. Sobre os índios, em especial, aqueles que têm grandes interesses nas riquezas das terras que ocupam, costumam espalhar preconceitos como o de que seriam “entraves ao desenvolvimento” e o de que não seriam índios “de verdade”. Mas entraves a qual desenvolvimento e ao desenvolvimento para quem? E o que seria essa categoria, “um índio de verdade”?”

Tá na hora de sairmos da zona de conforto!

 

mob_2_Lunaé Parracho

_______________

Para mais informações, acesse o blog da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil aqui.

Leia a coluna Os índios e o golpe na Constituição, da Eliane Brum, publicada em El País.

Disponibilizo também o link para a galeria publicada no site da National Geographic Brasil com mais imagens dos fotógrafos Fábio Nascimento e Lunaé Parracho.

Abaixo, o discurso do Maurício Guetta, advogado do Instituto Socioambiental (ISA) em sessão plenária do Congresso durante a semana: “As Terras Indígenas são importantes somente para os povos indígenas? A resposta a esta pergunta é negativa. Gostaria de lembrar que recentes estudos comprovam que as Terras Indígenas exercem um papel fundamental e essencial para a sobrevivência de todo o planeta. Se a proteção dos direitos indígenas não será feita em seu próprio benefício, que seja feita em benefício de toda a comunidade mundial.”