Palavra-Macumba

maio 31, 2010

Durante a tarde, recebi um presente de Bebel, a caçula. Foi sem querer e, pa, lá estava o email piscando na tela. Assunto: apenas curiosidade pitoresca! Humm, pensei. Abri, li, adorei. Tanto que senti uma vontade tremenda de publicá-lo no blog. Ei-lo.

Estampado a olhos nus, o poema Palavra-Macumba, belo, forte, revelador, saltou para perto e tomou o seu lugar por dentro. Escrito por Aimé Césaire, uma das cabeças mais brilhantes do século XX, ele tem a minha cara… Muito obrigada Bebel. Abaixo, segue trecho de prosa esticada.

___________

Carol,
hoje, conversando com o Cris, (…)
escritor e poeta da Martinica chamado Aimé Cesáire. Dentre as poesias, tinha uma que achei a tua cara por ser bem serelepe! Olha lá no link, chama-se: Palavra-Macumba.
Beijinhos,
Bel.

Aimé Césaire

TRADUÇÃO

Palavra-Macumba

a palavra é mãe dos santos
a palavra é pai dos santos
com a palavra serpente é possível atravessar um rio
povoado de jacarés
me acontece desenhar uma palavra no chão
com uma palavra fresca pode-se atravessar o deserto de um dia
existem palavras remo para afastar tubarão
existem palavras iguana
existem palavras sutis essas são palavras bicho-pau
existem palavras de sombra com despertadores em cólera faiscante
existem palavras Xangô
me acontece de nadar malandro nas costas de uma palavra golfinho

___________________

TEXTO ORIGINAL

Mot Macumba
le mot est père des saints/le mot est mère des saints/avec le mot couresse on peut traverser un fleuve/peuplé de caïmans/il m’arrive de dessiner un mot sur le sol/avec un mot frais on peut traverser le désert/d’une journée/il y a des mots bâtons-de-nage pour écarter les squales/il y a des mots iguanes/il y a des mots subtils ce sont des mots phasmes/il y a des mots d’ombre avec des réveils en colère d’étincelles/il y a des mots Shango/il m’arrive de nager de ruse sur le dos d’un mot dauphin