A macaca e o quadrilátero da esquisitice

abril 30, 2009

Fotos e ilustrações Web

 

CAPÍTULO DE HOJE: Sabe lá

As delícias da juventude estão atreladas a um desenfreado entusiasmo cuja predisposição é pontilhada de dobraduras monkey-typing62que abrem e fecham o tempo todo. A boa característica da pouca idade tem a ver com a desgarrada frase: sem ter por que nem para quê. Vive-se simplesmente da parafernália embevecida de hormônios. – O que por um lado é muito divertido, constata a macaca. Não há como fechar os olhos para o gargalhar solto do bicho juvenil. Memórias de passos dados aos solavancos, do saracotear, do correr mundo e do sobressaltar o peito fresco – ainda em fase de maturação – são motivo de orgulho para uma fêmea recém-chegada à carreira dos 30. A macaca sabe disso, e sem pestanejar infla os poros da pele satisfeita de vida. Não consegue imaginar nada melhor do que a certeza de que é forte. Apesar de tropeços e fracassos, trata-se de uma símia de carne e osso  Tentei, enfrentei, fui até onde pude sempre.

O animal que descobre o rio e não se joga na água jamais saberá o gosto que tem um banho do tipo, não conhecerá o som que o corpo provoca em ambiente líquido, não experimentará os sabores da correnteza, não desfrutará da plena sintonia com o natural estado de ser. Fato é que tudo vale a pena, mas claro, é arguto utilizar de bom senso, cochicha sem a intenção de deliberar sobre seja o que for. Significâncias são conteúdo amplamente estudado pelo homem, que adora dizer que sabe. Vira e mexe, o tal bípede penetra a selva às avessas com a retorcida cara de pau do ser “racional” que é. Espalha-se como mamífero reinante, domina o espaço e comanda o princípio ativo do universo com a habilidade de um regente.

– Ô gente complicada. Percorre todos os caminhos do mundo para chegar à primária conclusão de que somente em se plantando é que tudo dá. Grande novidade!, repete a macaca para si enquanto deixa-se tomar pela reflexão. Encostada num dos galhos altos da grande árvore, ela contempla a retidão dos horizontes enquanto um sorriso maroto colore o seu olhar. Braços cruzados delineiam a posição descomprometida com as próximas horas. Termina por apoiar o queixo sobre os dedos da mão esquerda, suspira, relaxa, larga a musculatura e deixa o pensamento correr. – Disse o homem que provém do macaco. Estudos científicos comprovam o parentesco. Estou aqui há bem mais tempo e ainda não consegui entender a lógica de seu raciocínio avantajado, pondera.

– Será que alguém consegue me explicar por que raios os seres humanos não se apegam aos detalhes? Logo eles que se acham os monkey-in-doubt2tais. Regras básicas de sobrevivência passam despercebidas por eles. Eu hein! Nem todos têm a insípida aparência dos insetos, é bem verdade. Pelo legado de alguns, me ocorre que humanos, quando dispostos, podem desfrutar da imponência leonina num piscar de olhos. A fama de garboso mamífero alfa não vem do nada. Leões são dignos de reconhecimento. Cumprem a risca o seu papel e o fazem com a hombridade que lhes cabe. Por menor que seja o elo, ser associado ao felino é um privilégio para poucos. Pois então?

A macaca se esforça, mas não compreende. Está mais do que farta de ouvir dos experientes macacos da barba branca que o desatino vem do plantar de qualquer jeito, mesmo quando se sabe que a terra precisa de espaço para florescer. Bons frutos nascem da perseverança? Sim, mas acima de tudo brotam do cuidado, do zelo, da paciência em bem dosar o tanto que se tem. A mania de desbravar o chão sem a devida parcimônia causa no solo danos dificilmente reparáveis.

­ – Coisa tão óbvia! Banal, eu diria. Deixa estar. Eles que são gente que se entendam com suas impregnadas pseudo-definições do gastar dos dias. – Por isso não há razão para condenar a juventude. Não é mesmo? Quebrando-se a cara é que se aprende (ou não). Cada um com o seu cada qual. A macaca estava em um dia daqueles. Por mais que o sol brilhasse, dedicava-se à revisão dos acontecimentos. Foram anos de experiência a vagar por terrenos distantes. Formou-se com a coerência que se deve ter em momentos de escolha. Tomou a acertada decisão de seguir o coração. Saboreava com voracidade cada pedacinho do conhecimento que adquirira. Instruir-se é tarefa para uma vida, sem dúvida. Contar com a competência do que somos, contudo, é a materialização da pedra fundamental do porquê saltamos do útero feito bolotas. A macaca pensa que as conquistas são mais do que impulsos tomados de vigor. Após três décadas e dois anos desde o seu nascimento, ela está careca de saber que vitórias vão além do ato consciente da labuta. Vencer é romper as barreiras do dia com a clareza de que o fazer pede o acompanhamento apaixonado de temperos potencialmente estimulantes: respeito, confiança, paixão, transparência, disciplina, persistência, prazer, objetividade, prática e doses compatíveis de vontade entre o estabelecimento de metas e a realização do projeto.

­ – Ah Ah Ah! Não sei o que me deu hoje. A risada a trouxe de volta à realidade. O sol já havia se posto, a noite caía suntuosa e o céu transbordava de estrelas. Já era hora da macaca sair do transe. –Vou me jogar no rio, tomar um banho de descarrego e me debruçar sobre o frescor dos cheiros primaveris. Depois de uma tarde abraçada a conjecturas, o melhor que tenho a fazer é libertar o intelecto. Amanhã, tenho o dia inteiro para fazer e acontecer mais um bocado. Restabeleceu-se sem pressa.

– Mas que situação a minha. Tomei um tombo e agora passo horas refazendo o meu trajeto, pontuando cada monkey11um de meus experimentos, instante a instante, sem parar. Será que fui contagiada por um vírus do tipo que nos leva do A ao Z de nossa história? Destes que nos amortecem sem pedir licença? Invadem e pah, nos jogam aos traços mais remotos da memória? Bom, não estou maluca. Apenas me restauro na velocidade constante de quem precisa, vez em quando, da linha reta para não deixar passar pontos e vírgulas. Ah, sei lá. Já disse para mim mesma que não quero mais pensar por hora, e sigo batendo os neurônios. Chega! Af! O jeito é me lançar daqui de cima. Vou direto e sem intervalo para evitar que novas idéias interfiram em meu plano. Levantou, agarrou-se no galho e sem titubear consumiu seu comprimento em direção ao passo anterior à queda: “Iaaaaa”, gritou. O barulho estridente do som desafinado espantou a passarada que resolvera pernoitar nos arredores da grande árvore. Centenas de penas misturaram-se aos quatro ventos enquanto o frio na barriga levantou os pelos da silhueta arredondada da símia...yeah, baby! Cair de certa altura expõe qualquer animal desprovido de asas a sensações bastante previsíveis, não é mesmo? Tibuuumm!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: