O Soneto de Fidelidade e a chuva

outubro 22, 2008

Imagens Web
 

vininhaHá quase um mês chove sem parar. A Ilha de Santa Catarina vive ao sabor dos ventos e das águas. Quando chove durante dias a fio, os moradores costumam improvisar para sair da umedecida toca. Independente de inevitáveis resmungos, a atmosfera expele impressões de simpática exclamação nos rostos das gentes. O contentar-se com larga precipitação transborda em feições de variados tamanhos. Parece-me que, apesar do tempo intruso para a época do ano, as pessoas seguem trajeto com afinco.

Não existe razão para deixar o riso cair. Respingos não repelem lábios bem-aventurados. Eu posso dizer que pinto e bordo em cenário seco ou molhado. Passei período deveras agradável ao lado do meu tio. Não o via há seis anos. Ele aqui esteve para uma visita rápida – sem dúvida, inesquecível. Veio de Brasília em dia de chuva (10 de outubro) e partiu de Florianópolis em dia de chuva (19 de outubro). Passeamos por bons cantos da cidade quando as nuvens deram trégua, conversamos sem parar, gargalhamos por inúmeras horas, viramos uma noite em reduto do samba, cantarolamos, ouvimos música, recitamos poesias – Vinícius de Moraes é poeta adorado na tribo –, contamos causos, falamos sobre histórias recentes e sobre acontecimentos antigos, mergulhamos em uma orgia enogastronômica vinicius de moraesda qual não faltaram opções de cardápio, festejamos nosso encontro, alegramo-nos por estar um na companhia do outro; enfim, matamos a saudade. Por este efêmero instante em minha vida, eu cancelei todos os meus compromissos profissionais. Montei tal estratégia com certeira antecedência para estar junto de quem eu amo. Valeu a pena! Tudo se passou em fração de segundo e esquecemos dos aparentes bloqueios causados pela chuva. Ao contrário, brincamos com as gotas trazidas aos borbotões das alturas.

“Florichuva” foi o apelido dado por titio à ilha. Embora ele não tenha conhecido as dezenas de maravilhas deste lugar, sentiu-se agraciado pelo correr dos ponteiros, tic tac tic tac… Quem não vê beleza no cair da chuva reconhece o entusiasmo escancarado pelo sol? Hoje, 72 horas após a decolagem do avião que o levou de volta para casa, acendeu-se em mim imensa vontade de homenageá-lo.

Ao meu tio muito amado entrego um presente: nosso Vininha, nossa canção, nossa rima, nosso abraço, nossa revelação, nosso acordo, nosso aperto de mão, momento repetido mais de oitocentas e cinquenta mil vezes no decorrer de sua estada na Ilha da Magia – o relevante, ao lado meu e debaixo de tormenta.

M2081S-1029Fernando Antônio e Carolina

“Quem de dentro de si não sai vai morrer sem amar ninguém.”

De tudo ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.


Anúncios

4 Responses to “O Soneto de Fidelidade e a chuva”

  1. Bebel Says:

    Chuvarada que ainda persiste incansavelmente! Não sei onde vamos parar com tamanha aguaceira! Porém, sou testemunha do quanto especial foram os dias de estada dos tios aqui. No que pude acompanhar ao menos! Revê-los foi mágico! Para mim faziam 9 anos…

    Quanto tempo se passou, quanta coisa aconteceu… e não poderia deixar de dizer… quantas águas não rolaram? Rsss O trocadilho serve para mostrar que apesar de tempo e distância estamos sempre ligdos de uma forma quase que encantada e que quando nos revemos é sempre muito reconfortante e singular! Aquela sensação aconchegante de família. Maravilha!

    Agora ficou a saudade e a vontade de mais encontros! Esperamos que sejam com menos espaços de tempo e menos chuva!!! 😉 Embora a chuva tenha o seu “que” de toque inesquecível! Afinal, se todos dias tivessem sido azuis não teríamos ouvido incansáveis comentários do tipo: “Florischuva” e “Para visitar Floripa tem que trazer guarda-chuva, capa e galocha! Bermuda? Para quê?” Rsss Este é o tio amado Fernando Antônio!

    Tiiiio estamos com saudades!!!

    Carol, parabéns pela linda homenagem! Lindíssima! 😉

    Um beijo GRANDE!!!

  2. Maria Clara Says:

    Carol, mega super mana!

    Que linda mensagem, cheia de vida! Tocou fundo meu coração!

    És uma Mestra na arte da escrita! É uma maravilha poder te ler!

    E para não esquecermos nosso Vinícius vale citá-lo ainda uma vez: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”.

    E viva a arte do encontro!!!

    Com chuva ou sem chuva, a gente é feliz!

    Bjos grandes com saudades!
    Clarinha

  3. ligia Says:

    Carol, bravo!!!!! sem palavras… bjss

  4. Tati Says:

    Carol, Carola, Carolina!!!

    Tenho que concordar com a Clarinha. Amo ler o que você escreve! Me toca, me comove. Você tem muito talento. Segura essa caneta e mada ver… (teclado no caso hehe!).

    Saudades de você minha amiga!

    Beijos!

    Tati


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: